Conhecimento

NossosConteúdos

Meça a sua produtividade no trabalho com o MyAnalytics / 30.07.2019

Por: Victor Oliveira Sanmartin Muitas vezes, estamos acostumados com a vida corrida e não paramos para medir a nossa produtividade no trabalho e em como podemos, com frequência, melhorar o foco para atingirmos um desempenho melhor. É com essa ideia, de que os profissionais possam melhorar a eficiência e valorizar o tempo trabalhando, que a Microsoft criou o MyAnalytics. A ferramenta tem como objetivo ajudar a aumentar sua produtividade e a de sua equipe, exibindo sugestões úteis, dicas e práticas recomendadas sobre como gerenciar e-mails e realizar reuniões. Também auxilia a informar e orientar você na tomada de decisões eficazes por e-mail e reuniões, além de recuperar horas de foco e criar melhores hábitos de colaboração. Página inicial do painel MyAnalytics Uma ferramenta para sua produtividade no trabalho Integrado diretamente ao Outlook, o MyAnalytics analisa os seus e-mails e rastreia os destinatários que abriram a mensagem e os anexos enviados. Depois, o add-in diz quanto tempo essas pessoas levaram para ler o conteúdo. De acordo com o tamanho do e-mail, o complemento estima se as pessoas viram rapidamente ou se de fato leram tudo. A partir dessas informações, o usuário tem acesso a um painel de estatísticas com a performance de cada e-mail enviado e obtém sugestões para conseguir um número maior de respostas. Além de tudo isso, a ferramenta ajuda o usuário das seguintes formas: Reserve um período para focar em questões essenciais, antes de ter a semana preenchida com reuniões;Não perca nada das suas tarefas e e-mails;Faça follow-up (acompanhamento) com as pessoas importantes. Se você agendar tempo de foco, por exemplo, os seus colegas no Teams serão informados do seu status, explica a Microsoft. O MyAnalytics também terá duas novas sugestões impulsionadas por Inteligência Artificial (AI) no fluxo do Outlook que ajudam você a remarcar tempo de foco caso acabe sendo tomado por compromissos, ou separe um momento para tarefas específicas. O MyAnalytics é gratuito para quem é assinante dos pacotes Office 365 Enterprise ou Office 365 Education. O recurso é direcionado a administradores de rede que desejam oferecer estatísticas inteligentes para funcionários e alunos de uma empresa ou instituição de ensino. É preciso assinar tanto o plano da Microsoft quanto o serviço do MyAnalytics para que tudo funcione perfeitamente. Como baixar o MyAnalytics pelo Microsoft Outlook A partir desse ponto, o add-in é livre para baixar na loja de complementos do Outlook. O atalho fica na barra superior do programa, em "Obter Suplementos" pesquise por Insights. O recurso funciona no Outlook 2016 e no Outlook 2013 para Windows ou macOS, além do Exchange na web e do Outlook.com no navegador.


Veja mais   
Microsoft Flow: Saiba do que ele é capaz! / 16.07.2019

Por: Thales Eduardo Muller Sabe aquele processo chato, manual e repetitivo que você odeia fazer? Então, foi pensando neste problema que a Microsoft criou o Flow, um sistema baseado em gatilhos para criação de fluxos automáticos. A plataforma de automatização de Fluxos da Microsoft vem se destacando no mercado e ajudando usuários dos mais variados conhecimentos técnicos, a automatizarem seus processos internos e obter maior produtividade em um mundo cada vez mais digital. O que o Flow faz? Seu objetivo é automatizar processos repetitivos, proporcionando uma maneira fácil e prática de enviar e-mails, editar documentos, buscar dados de mídias sociais e muito, mas muito mais. Pode ser utilizado tanto em pequenos processos, como em grandes fluxos corporativos, mesmo em empresas com grandes bancos de dados, que já possui uma interface simplificada que se conecta via API (Application Programming Interface), isso faz dele uma excelente escolha desde o desenvolvedor até um funcionário sem intimidade com programação. Mas o que posso fazer com ele? Dentre os diversos conectores disponíveis, vamos elencar alguns que se destacam. Para ver a lista com todos os conectores, visite https://us.flow.microsoft.com/pt-br/connectors/ Um exemplo bem interessante é que o agendamento semanal de um Fluxo envia a sua equipe de vendas todas as novas oportunidades cadastradas no Dynamics ou Salesforce. Ou quem sabe você gostaria que determinados e-mails recebidos no seu Outlook fossem arquivados automaticamente em uma pasta no OneDrive? Com alguns poucos cliques é possível que isto aconteça. Mas e aí, como funciona um fluxo? Os fluxos do Flow, implementam cadeias de afirmações condicionais que são disparados quando alguma ação específica é executada. Estas ações são chamadas de gatilhos e são divididas em três tipos: • Instantâneos – é executado quando um botão é acionado; • Agendados – estes fluxos são programados para acontecer em determinados espaços de tempo; • Automatizados – quando um evento acontece este fluxo vai rodar, exemplos: Quando um item de uma lista do SharePoint for criado.Quando receber um e-mail de um gestor;Quando um documento for salvo no OneDrive;Quando um novo Tweet é postado;Quando uma nova Issue for criada no GitHub. A partir desse momento você pode implementar uma lógica baseada em Ações que podem realizar as mais diversas atividades. A ideia em muito se assemelha a programar, porém não requer conhecimento de linguagens de programação, apenas os conceitos básicos de lógica condicional. Estas ações podem se integrar com as mais diversas aplicações, como Office 365, FTP, GitHub, Gmail, Google Drive, RSS, Instagram e etc. Mas não se limite a isto, pois você ou sua empresa podem também desenvolver suas próprias integrações e agregar valor aos seus Flows também.


Veja mais   
Sua empresa deve investir em criar um site novo ou em Maturidade Digital? / 06.04.2018

Não é difícil realizar o veredito de que seu site está ultrapassado. Basta analisar os outros canais que você costuma acessar, relacionados ao seu negócio ou não e comparar. Afinal, o seu website parece estar a par em termos de design, responsividade e informações gerais sobre sua empresa? Estas perguntas são fáceis de responder. Mas, elas sozinhas não resolverão seu problema. Hoje, as questões que permeiam um projeto para criar um site novo são outras, mais complexas, contemporâneas, desafiadores para profissionais de TI cientes de que têm de lidar com um cenário em constante transformação. É por conta deste cenário que, mais do que a simples criação de um novo canal virtual, insistimos na maturidade digital. Em dia com novos processos tecnológicos É isto mesmo. Muitas vezes, não é de um novo site que sua empresa precisa, e sim de uma nova postura. Em outras palavras: sua organização precisa transformar-se. Mas o que é maturidade digital? A ideia define o nível em que uma organização está adaptada para competir em um ambiente cada vez mais digital. Bem mais do que uma simples ideia de aplicação de todas novidades tecnológicas possíveis em um website, ela está atrelada a alinhamentos estratégicos, aplicação de esforços de trabalho e até mesmo à estrutura conceitual da empresa. Está dada a largada A grande verdade é que as empresas se encontram-se em um momento de “adolescência digital”, ou seja, ainda não chegaram ao ponto máximo de compatibilidade com tendências tecnológicas, entendimento total de processos relacionados ao consumidor e adaptabilidade. Para manterem-se no topo, precisam se integrar às circunstâncias deste novo momento de constante atualização frente a desafios de inovação e maturação. Hoje, a jornada rumo à maturidade digital, em cuja maioria das empresas encontram-se ainda em processo, serve como iniciativa definidora de futuros líderes, e as consequências serão visíveis em um futuro muito próximo. Maturidade e credibilidade Todos estes esforços rumio à maturidade atendem a um fim: atender às expectativas dos consumidores finais, dos colaboradores e dos parceiros. É dessa forma que a empresa que atinge a maturidade digital conquista adaptabilidade a um cenário que não para de mudar. Fixando-se definitivamente entre as lideranças em seu mercado e já marcando território para um futuro ainda mais competitivo. Por isso é tão importante conhecer sua marca, seus níveis de maturidade e fazer com um plano de ação específico para alcançar o objetivo. Mas, por onde começar? Digital Marketing Maturity Model Para atingir estes objetivos a médio e longo prazo, mais do que criar um novo website do zero, para gerar bons resultados e aplicações certas, o time deve conhecer como sua marca está inserida no mercado. A Maturidade Digital exige que você entenda: quais suas reais necessidades para maior alcance? quais os níveis de atuação e maturidade frente aos concorrentes? Para esses questionamentos, o nosso mais novo lançamento, D3M entrega uma análise de maturidade em marketing digital, a fim de mensurar e conhecer de fato, as reais necessidades da marca. E então, que tal começar sua jornada rumo à maturidade digital? Acesse o link abaixo e conheça nosso metodologia de maturidade digital. É grátis!


Veja mais   
6 pilares para seu site atingir a maturidade digital e conquistar resultados / 01.03.2018

Como já falamos por aqui, fazer um novo site é uma decisão estratégica importante. Ela demanda não só dinheiro, como tempo da equipe, além de um fornecedor capacitado, um bom entendimento das buyer personas do seu produto e um planejamento bem feito da arquitetura, do plano de trabalho e dos conteúdos.  Todo site é uma ferramenta fundamental da sua estratégia, afinal, ele é a porta de entrada para as pessoas conhecerem sua empresa. Um site com arquitetura de informação confusa, pesado ou nada intuitivo, pode afastar possíveis clientes. É claro, como alguém vai escolher investir seu dinheiro em uma empresa que não cuida lá muito bem nem da sua própria casa (ok, um trocadilho infame com Home). Ah, sem esquecer do fundamental: a responsividade. Apesar da grande importância de ter um site responsivo, sendo inclusive um dos fatores de rankeamento do Google, muita gente acaba deixando de lado. Na era do mobile first, as empresas costumam deixar ele por último.   Aliás, ele também afeta seu marketing (e não só do marketing digital, mas do Offline também) e por isso deve ser avaliado também por essa perspectiva - qual a maturidade digital da sua empresa, e como o seu site se encaixa nisso? – essa análise é importante para entender se sua necessidade é mesmo um novo site ou está mais relacionada a uma entrega de marketing, analytics, conteúdo, publicidade, usabilidade ou compatibilidade com novas atualizações tecnológicas.    D3M - Entendendo a maturidade Digital do seu Marketing  Para ajudar nessa análise - que não é simples de fazer, e em geral envolve diversas áreas diferentes dentro da empresa - nós da Conectt (em nossa unidade de Marketing Preditivo: a Math Marketing) criamos o D3M (Digital Marketing Maturity Model). O D3M é uma ferramenta online que avalia o seu marketing digital a partir de informações disponíveis no seu site e entrega um diagnóstico dividido em 6 pilares. Cada um desses pilares demanda uma ação diferente, com ferramentas e metodologias próprias, buscando resolver problemas específicos. Mas claro, ele não é focado apenas em marketing, já que a nossa metodologia também avalia os componentes do seu site, como a busca funcional, a estrutura, a responsividade, a sua representatividade perante a avaliação do Google entre outros.   A boa notícia é que nem sempre é necessário mudar o site inteiro para resolve-los.  Mas é importante entender cada um deles, qual problema precisamos resolver e como ele impacta sua estratégia.   Para facilitar essa conversa, detalhamos cada um dos pilares, quais os principais problemas relacionados e o que você pode fazer em cada um deles  1 - Conteúdo - ou "Por que meu site não está na primeira página do Google"  Essa é uma frase que escutamos bastante - preciso de um novo site para estar na primeira página do Google.  Será mesmo?  O algoritmo de busca do Google (ou do Bing, ou de qualquer outro) muda o tempo inteiro. Mas uma coisa nunca muda, conteúdo de qualidade, com relevância para a persona, muito compartilhado e referenciado (muita gente colocando links do seu conteúdo em outras páginas) é fundamental  Talvez o que você precise aqui é de marketing de conteúdo, ou de inbound marketing, alinhado a uma estratégia robusta de SEO para melhorar a qualidade e o volume de acessos ao seu conteúdo e aumentar sua relevância. Correndo o risco de sermos repetitivos, mas nunca é demais lembrar: para estar no topo dos resultados de busca, seu site precisa ser leve, organizado e completamente responsivo. Se seu novo site ainda usa uma linguagem ultrapassada que não responde bem quando aberto em um celular, é um grande sinal de alerta para você pensar em uma atualização, seja um novo site ou uma mudança de estrutura imediata.   2 -  Ads - ou " Eu quero fazer anúncios para trazer pessoas para meu site"  Mídia paga é uma ferramenta importante (mas não a única, e nunca sozinha) para aumentar o volume de acessos e a conversão de ações no seu site. Entretanto, são comuns campanhas desenhadas com foco apenas em cliques, sem estar integrada ao que acontece uma vez que o cliente chega no seu novo site.   Aqui é muito importante entender qual o objetivo da campanha, se ela está otimizada para esse objetivo, se as tags de conversão estão aplicadas corretamente. Isso sem contar com o desenho de audiência que foi feito para a campanha, os grupos de teste para os anúncios e as ferramentas de otimização e oferta contextual.   E novamente, não adianta investir todo dinheiro em anúncio, o Google sabe que seu site pode não ser muito bom.  3 - Busca - ou - " Ninguém navega nas páginas do meu site"  Outra situação que encontramos bastante são sites com muitos acessos na home, mas nos quais ninguém efetivamente navega.   Esse problema tem várias respostas diferentes, e algumas delas vão demandar a construção de um site novo. Mas, antes de chegar nesse ponto, podemos avaliar como está a estrutura de busca do site. Em outras palavras, o usuário consegue buscar informações no site? Essa busca está bem estruturada para entender o que o usuário quer? Ela está bem posicionada e clara?  Uma estrutura de busca interna no site facilita o acesso rápido a informações importantes e aumenta a navegação nas páginas do site. Pense nisto especialmente se seu site tiver um grande volume de conteúdo.   4 – Automação – ou – “Quero mandar mensagens automáticas para os usuários”   Empresas com um maior nível de maturidade digital já enfrentaram o problema de querer estabelecer uma conversa com os usuários do site. Seja por e-mail, sms ou bots, elas buscam aumentar o engajamento e a quantidade de usuários que voltam ao site, consomem conteúdo e se tornam clientes da empresa.   Aqui precisamos entender se estamos recolhendo alguma informação do cliente – E-mail, Telefone, Social, Login. Sem isso, fica bastante difícil começar uma conversa e formulários, landing pages e funis de venda são soluções para coletar esses dados.    Mas isso não é o suficiente. Precisamos de ferramentas específicas para conduzir essa conversa com usuários. Essas ferramentas nos ajudam a controlar os contatos, entender a interação destes usuários e como ele se relaciona conosco. Podemos inclusive estabelecer critérios de quando devemos abordar esse cliente para uma venda, baseado no seu comportamento e perfil.  Avalie as principais ferramentas de automação do mercado e veja se elas comportam o que você precisa. Não adianta você adquirir a ferramenta mais completa (que via de regra, são as mais caras) se falta você efetivamente saber o que quer fazer com ela. Olhe para a atual tecnologia do seu site. Ela é moderna? Ela é fácil de manusear? Você tem autonomia para editar páginas e conteúdo, ou precisa sempre abrir chamado para sua TI? Estes são alguns indícios básicos para você averiguar a maturidade da tecnologia empregada em seu site atual, pois a estrutura tecnológica do seu site pode frear a sua estratégia de automação.     5 – Analytics – ou “Quantas pessoas visitam o meu site”  Analytics é o coração de qualquer estratégia de marketing digital, ação digital e fornece um completo diagnóstico do que está funcionando ou não. Uma das grandes vantagens de operar nesse ambiente é a oportunidade me medir quase tudo o que acontece e tomar decisões muito mais precisas. Sair da discussão de “acho” e “gosto” para discutir hipóteses e teses baseadas em dados.   Um bom processo de analytics deve partir da definição daquilo que se quer medir, e está sempre vinculado a estratégia e objetivos do negócio. O processo de implantação de analytics pode acontecer junto com a construção de um novo site (entretanto é importante ressaltar que se tratam de especialidades diferentes). Mas como é um processo que deve evoluir com o tempo, ele pode ser tratado de maneira separada e deve ser perene na execução das ações de digital.   6 – Técnico – ou “Meu Site é lento e não carrega direito”   Sites lentos, pesados e que não carregam são um problema. As ferramentas de busca, de mídias sociais, em ações orgânicas ou pagas, levam em consideração o tempo de carregamento do site quando estão gerando tráfego. Isso quer dizer que se seu site é muito lento, você vai ser penalizado.   Isso é muito comum em sites que não foram preparados para navegação em Smartphones (importante lembrar que hoje mais de 50% do tráfego na internet é de mobile).   Ainda assim, existem alternativas para resolver problemas técnicos sem a necessidade de construir um novo site. Revisão dos códigos, Mobile Sites e Criação de Landing Pages para ações específicas podem ser saídas mais simples.  Mas aqui precisamos fazer um alerta. Seu site é a sua casa no mundo digital. É onde você vai se relacionar com o mundo e transformar prospects em clientes. Ele é a estrutura mais perene e vai impactar toda a sua estratégia e sua performance nos outros 5 pilares. Aqui, investir em um site novo pode fazer todo o sentido, principalmente construir um que já seja pensando levando os outros 5 pilares em consideração.   Quer saber se você precisa de um Site novo?  Acesse o D3M e faça sua avaliação. Entenda como você se posiciona em cada um dos pilares e, a partir disso, tome a melhor decisão para sua estratégia digital .


Veja mais